O filme

7.10.11

Assisti novamente ao filme argentino O filho da noiva (El hijo de la novia), de 2001, do diretor Juan Jose Campanella. Para mim, o melhor que já vi até agora. É daqueles de se ver várias vezes e se emocionar sempre. Tocante, delicado, único. Talvez muitas pessoas, influenciadas por Rede Globo e rivalidades futebolísticas criadas pela emissora, tenham preconceito por filmes de nuestros hermanos, mas, deixem de ser manipulados e assistam ao filme.

O protagonista Rafael Belvedere (Ricardo Darín), de 42 anos é dono do restaurante Belvedere, fundado por seus pais e vive estressado com suas obrigações. Separado, pai de Victória e namorado da jovem Natália, Rafael fica transtornado quando seu pai Nino (Héctor Alterio) resolve se casar na igreja com sua mãe, Norma (Norma Aleandro). Nino e Norma estão juntos há 44 anos, mas Rafael não acha bom expor sua mãe, já que ela mora em uma casa de repouso devido à doença de Alzheimer. A atriz Norma Aleandro está perfeita no papel.

No início do filme, aparece Rafael e seu amigo Juan Carlos, ainda crianças, tendo problemas com uma turma de meninos mais velhos. Ambos correm para o restaurante para pedir ajuda à mãe de Rafael. Protegidos, Norma oferece deliciosos biscoitos aos dois. Mais de 30 anos depois, Juan Carlos reaparece para encontrar o amigo de infância. Relembram dos velhos tempos e dos biscoitos. Como Rafael anda sempre agitado, acaba sofrendo um infarto, derruba o porta-retrato com a foto da família e cai sobre ela. Paralisado por causa da dor e sem poder se mexer, numa cena poética, sobre o rosto da mãe no retrato chama baixinho por ela, como nos velhos tempos em que corria para Norma na busca de proteção.

Rafael na UTI passa a refletir sobre sua vida até ali e resolve auxiliar o pai com o casamento. Nino, apaixonado por sua esposa por mais de quatro décadas, faz visitas diariamente a ela. A doença de Norma exigia mais cuidados, por isso, ela vive no asilo. O marido sente-se culpado porque na juventude, por questão de princípios, disse ele, não casou na igreja, o que era vontade de sua esposa.

O filme, apesar de se desenvolver mais na figura de Rafael, inclusive com o interessante título de O filho da noiva, é na verdade uma história de amor entre seus pais, que passa por décadas, doenças, problemas e Nino continua apaixonado por sua Norma. Não se trata de um dramalhão, muito pelo contrário, é envolvente, possui partes engraçadas e deixa você pensativo até mesmo depois de passado todo o crédito. Aliás, tem mais uma surpresa engraçada depois do letreiro.

Explicação do sétimo item do post Meme.

2 comentários:

Eugenio Hoch Junior disse...

Parabéns pelo texto. Como sempre escrito de forma limpa e de fácil entendimento.Para quem já viu o filme,e gostou, ler novamente sobre ele reativa a sensação de te-lo assistido outra vez. Você escreve muito bem.

Guilherme, disse...

fiquei com vontade de assistir!